domingo, 12 de agosto de 2018

PLANTE AMOR E RECEBA A PAZ





 
A nossa infância em São Luís, lá pelos anos de 1935, (nesse tempo ainda não existia os heróis fabricados), eu ainda criança, com quatro anos, vendo passar na nossa porta o bonde elétrico que fazia o percurso do Centro da cidade até o Anil, onde morávamos, e vendo o motorneiro dirigir o bonde, eu ficava encantado e a pensar que quando eu crescesse, desejava ser  um motorneiro de bonde, pois achava muito legal. Bons tempos aqueles em que havia tranquilidade, paz, harmonia,  fraternidade e amor entre as pessoas.
A existência foi passando e muitos anos depois, começaram a surgir ás revistas em quadrinhos com alguns heróis, com poderes excepcionais, como: O Titan e seu arqui-inimigo O Caveira, O Vingador, O Cometa, A Visão, O Príncipe Submarino e outros mais, e depois, os cinemas começaram a apresentar também seus heróis: Flash Gordon, O Zorro, O Sombra, Mandrake, O Capitão Marvel, O Fantasma e outros mais, que as crianças da época gostavam sempre de imitar um deles, e nas histórias, era sempre comum se saber que o bem e o amor venciam sempre. Assim, era um tempo de encanto, de fantasia e de alegria para todas as crianças, como eu, que vivenciaram aqueles tempos, sem maldades, sem violência, sem crimes.  
Nos tempos atuais, o que assistimos são filmes, programas e novelas  mostrando o desrespeito, a traição e exibindo  e incitando a violência, o sexo e os diversos tipos de crimes, como suborno, corrupção, furtos, roubos, e não se vê mais a simplicidade e a graça das histórias, não se vivencia mais o Amor que está muito esquecido pelas pessoas. Precisamos reunir os familiares e os amigos e relembrar o maior de todos esses os heróis – Jesus.
Hoje, infelizmente, ouvimos ás vezes as mães se queixarem  que levaram suas crianças pequenas de quatro ou cinco anos para verem seus pais, na prisão. O sonho dessas crianças é decepcionante ao constatar que o seu adorado pai não é um herói, mas um prisioneiro. Que tristeza para essas crianças.
As mães choram de arrependimento, em diálogos, quando nos dizem que a sua amada criança, mudou completamente de comportamento, depois de ver seu pai na prisão. Passou ela a ficar rebelde ou chorosa, infeliz ou tímida. Seu pai que deveria ser seu herói é na verdade um criminoso. Quem ela vai imitar?
Muitas crianças ainda têm um substituto bom; um tio, um avô, um irmão mais velho que supre a figura paterna e dá bons conselhos; mas muitas outras não têm alguém para assumir tal função e aí a situação fica difícil. Alguns dizem que a pobreza é a mãe da criminalidade, mas não é bem assim. Tomo como exemplo a nossa família (Tavares de Castro). Nossa mãe ficou viúva com 12 filhos e eu, caçula com apenas um ano de idade. Nessa época não existia Lei trabalhista, L.B.A., INSS, não houve pensão do nosso pai nem qualquer tipo de auxílio. Ela conseguiu nos criar com muitas dificuldades, trabalhando e com a fé que tinha em Jesus, sem que nenhum dos seus filhos ficasse marginal, em face da nossa pobreza extrema. Desde cedo, começamos também a trabalhar para nos manter e foi assim que Jesus nos permitiu a existência até a fase adulta.
Observamos que o que falta em muitos lares, hoje, é a religiosidade, o bom exemplo, a prática do bem, pois os crimes estão também nas famílias abastadas e em pessoas instruídas. É necessário trazer de volta para as famílias, a convivência fraterna, a religião, a bondade e o amor, para termos a paz na consciência, no lar, na cidade, no país e no mundo.
No Canadá, as mães estão reduzindo a jornada de trabalho para ficarem mais tempo com os filhos, e nos Estados Unidos, os médicos instituíram o Family Dinner, ou seja, a volta da família jantar junto novamente e com a televisão desligada. Um momento para a família. Há ainda uma campanha que está se tornando mundial, de se desligar o celular para olhar o filho. As crianças precisam ser olhadas e precisam ser amadas.
Há uma passagem em O Evangelho Segundo o Espiritismo, muito bela de um protetor espiritual, constante do capítulo VIII (Deixai vir a mim os pequeninos) em que o autor escreve o seguinte: “Deixai vir a mim os pequeninos; deixai vir a mim os tímidos e os frágeis que necessitam de amparo e consolo. Deixai vir a mim os ignorantes, para que eu os ilumine. Deixai vir a mim todos os sofredores, a multidão dos aflitos e dos infelizes, e eu lhes revelarei o segredo da cura e darei o grande remédio para os males da existência”.
Qual é meus amigos, esse bálsamo poderoso, de tamanha virtude, que se aplica a todas as chagas e as cura? É o Amor. Se tivermos esse dom divino, o que haveremos de temer?  O Amor e a Caridade são a solução.  Diz o ditado: “Quem ama, educa, e a educação é a solução.” Os lares brasileiros precisam retomar a Educação com Amor; formar um ser humano com sentimentos bons, não importando a classe social a que pertença. Libertar-se da inveja e da ganância de querer possuir tudo o que outros possuem. Evitar tomar de outra pessoa, aquilo que ele tem. Entender que não é assim que se deve conseguir, mas com trabalho e honestidade e se conformar com a existência que tem, pois foi ele que moldou a sua existência, e não partir para furtar ou roubar o que pertença a outra pessoa. Viva  fazendo o bem e dê  paz à sua consciência e receberá sempre a proteção divina.
Quando ainda criança, uma experiência nos marcou e lembramo-nos dela até hoje. Na época, devia ter nove anos e na escola, tínhamos uma colega, uma amiga querida; a mais pobre da classe. Nessa época não se fazia distinção social. Ela tinha uma bolsa de estudo dada pelo diretor da escola. Nossos pais desejavam saber quem eram os pais de nossos colegas, não pelo fator social, mas para saber se eram pessoas de bem, e se seus filhos podiam ficar juntos. Um dia, fomos com essa nossa colega até a casa dela, depois das aulas. A casa era uma das mais pobres da rua.
Quando estávamos brincando, a mãe dela se aproximou e disse-lhe: “Filha, a borracha que você trouxe da escola não é a sua.” A nossa amiga esboçou uma desculpa, dizendo que não tinha achado a sua e que um colega tinha lhe emprestado aquela e que ela tinha se esquecido de devolver. No final do dia, seu pai, voltando do trabalho, tomou conhecimento do ocorrido, e a mãe da menina já estava com o nome e o endereço do colega. O pai ordenou que fosse devolvida a borracha e fomos juntas e andamos quase uma hora a pé, até a casa do menino, Ela bateu palmas e pediu para chamar o menino. O colega veio surpreso. Ela então pediu desculpa por não ter devolvido a borracha, e entregou a ele que saiu agradecido. Quando voltamos, o seu pai disse à filha em tom enérgico: - “Nós somes pobres, mas somos honestos!” – Nunca esqueci esse fato e de heróis assim, anônimos, é que precisamos. Heróis do dia a dia, que ensinem a honestidade e o bem aos seus filhos.
Temos ainda a fé de que o estado atual das coisas no Brasil, em que a sociedade não suportando mais a corrupção e a falta de honestidade, vem aumentando o número desses heróis e a educação no bem vão triunfar. O Brasil será sim, um dia, uma nação em que os valores morais elevados irão prevalecer. O número dos que almejam o bem está crescendo e o Amor continuará sempre vencendo e vencerá, pois cremos que Jesus olha por todos nós, e um dia essa situação vai se reverter, a exemplo do que respondeu Maria de Nazaré a Chico Xavier, quando este se encontrava em uma situação aflitiva: “Tudo passa”.
Retornando ao capítulo VIII, o Espírito protetor termina sua mensagem com belíssimas palavras que devemos manter em nossa mente: “Se tiverdes amor, tereis tudo o que mais se pode desejar na Terra, pois tereis a pérola sublime, que nem as mais diversas circunstâncias, nem os malefícios dos que vos odeiam e perseguem, poderão jamais arrebatar. Se tiverdes amor, tereis colocado o vosso tesouro onde nem a traça, nem a ferrugem os devoram, e verá desaparecer de vossa alma tudo o que lhe possa manchar a pureza”.  A força do Amor há de vencer sempre, repetimos...

Fonte:
Jane Martins Vilela
Jornal “O Imortal” – 7/2018
+ Acréscimos e modificações.

Jc.
São Luís, 6/8/2018

AMIGOS E AMIGAS DO BRASIL





 
Inicialmente, desejo a todos, paz, harmonia e saúde, extensivos aos seus entes queridos. Eu declaro que nunca fui e não sou candidato a qualquer cargo político, mesmo porque com a minha idade 87 anos, acho que já não é mais possível e não sou muito chegado à política brasileira, na sua maioria, constituída de políticos que nunca mereceram o nosso voto.
Entretanto, já vinha acompanhando há algum tempo as atividades do senador Álvaro Dias, e ao tomar conhecimento do seu discurso no plenário do Senado Federal, no dia 11/12/2107, discorrendo sobre o tema da Previdência Social e outros assuntos,  e tendo ele se declarando como candidato a Presidência do Brasil, resolvi apoiá-lo e foi ele escolhido em convenção e eleito o candidato a Presidente pelos partidos “Podemos” e “P.S.C.”.
A sua carreira política teve início com a sua eleição para vereador em1968. Em 1970 se elegeu Deputado Estadual. Em  1974 foi ele eleito Deputado Federal. Em 1982, ele foi eleito Senador, com cinco milhões de votos. Em 1986, foi eleito o Governador do Paraná com 72 % dos votos, e apontado pela Datafolha como o melhor governador do Brasil.  Em 1998, e em 2007 foi reeleito senador e em votação realizada pelo site Congresso em Foco, foi escolhido o melhor senador do País. Em julho de 2007, ele recebeu em San Diego, na Califórnia, o diploma de Doutor honoris causa, em administração governamental. Reeleito em 2014, seu mandato de Senador vai até o ano de 2023.
Por todo esse histórico cheguei á conclusão de que devo votar nesse Senador,  por considerá-lo a única pessoa política digna,  administrador já comprovado com reais condições  de governar este nosso país, tão desmoralizado e com um povo abandonado e tão sofrido, para dar um basta a essa atual anarquia reinante,  implantando uma nova República no Brasil.  
Por esse motivo, estou convidando os meus amigos e amigas, irmãos e irmãs, e os leitores e seguidores do meu blog, http://ortsac13.blogspot.com , e  os eleitores q         ue ainda não têm candidato  ou que pretendem votar em branco, a conhecerem  esse candidato que foi lançado no  dia  4/8/2018
pelos partidos “Podemos”, “P.S.C” e conta ainda com o apoio do P.R.P e do P.T.C, e tirar suas conclusões, que espero, sejam favoráveis e que possamos ajudá-lo com nossos votos. Lembro a todos que não sou cabo eleitoral desse candidato nem estou recebendo nada para promovê-lo, nem ele me conhece. O que me leva a esse propósito é apenas o desejo de poder ver alguém realmente capacitado a exercer esse mandato, pensando no bem estar do povo e da nossa nação brasileira, sem rumo e sem destino, dirigida pela grande maioria de políticos venais e pelo trio Toffoli, Ricardo e Gilmar, que nos envergonham junto ás outras nações do mundo.
Sobre o fato do candidato, ser apresentado por um partido pequeno, isso não pode ser levado em consideração, uma vez que depende apenas do voto da maioria do povo que acredita ser ele digno do mandato, como já aconteceu anteriormente, quando em 1961, o PTN, um partido nanico, elegeu Jânio Quadros presidente,  e outro partido pequeno elegeu também o presidente do Brasil,  o senhor Color de Melo. Portanto, no dia 7 de outubro ou outra data que for definida, lembrem-se e votem nesse nome: Álvaro Dias para Presidente do Brasil. Mais informações sobre o nosso candidato, acessem o “site” alvarodias@senador.leg.br.
Esta declaração é feita com a nossa consciência tranquila e o desejo apenas de que o Brasil venha a ser um país de “Ordem e Progresso”,  constante  na nossa  BANDEIRA NACIONAL.
P.S.  A revista “Veja”, edição de nº 2589, de 4 de julho, na página “Radar”, informa que o senador Álvaro Dias do “Podemos”, terá um trunfo a mais nessa campanha, para o cargo de Presidente da República do Brasil, por ser o candidato preferido do Juiz Sérgio Moro e dos Procuradores da República  em  Curitiba, e que se ele (Álvaro) for eleito Presidente, o seu Ministro da Justiça será o Juiz Sérgio Moro.

Jc.
Jurandy Castro
ortsac1331@gmail.com
São Luís, 5/8/2018

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

C O N S O L A Ç Õ E S





 
“O Evangelho Segundo o Espiritismo”, no seu capítulo VI, nos apresenta o Cristo Consolador, dizendo: “Vinde a mim, todos vós que sofreis o que estais sobrecarregados e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós, e aprendei de mim que sou brando e humilde de coração, e encontrareis o repouso de vossas almas; porque meu jugo é suave e meu fardo é leve”. (Palavras de Jesus narradas em Mateus, Cap. XI,- vrs. 28 a 30).
Todos os sofrimentos: misérias, decepções, dores físicas, perda de entes queridos, encontram sua consolação na fé no futuro, na confiança na justiça de Deus, que Jesus veio ensinar aos seres humanos. Eis o que Jesus quis dizer: “Vinde a mim, todos vós que estais fatigados e eu vos aliviarei”. Entretanto, Jesus coloca uma condição à sua assistência e à felicidade que promete aos aflitos; essa condição é a observância da lei, que é suave, uma vez que impõem por dever a caridade e o amor.
Disse ainda Jesus: “Se vós me amais, guardai meus mandamentos e eu pedirei a meu Pai, e Ele vos enviará outro Consolador, a fim de que permaneça eternamente convosco: O Espírito de Verdade que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece. Mas quanto a vós, vós o conhecereis porque permanecerá convosco e estará em vós. Mas o Consolador, que é o Santo Espírito, que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará relembrar de tudo àquilo que eu vos tenho dito”. (João, cap. XIV, vrs. 15,16,17 e 26).
A Doutrina dos Espíritos vem no tempo marcado, cumprir a promessa do Cristo: O Espírito de Verdade preside a sua instituição, chamando os seres humanos à observância da lei e ensina todas as coisas, em fazendo compreender tudo o que o Cristo disse somente por parábolas. O Cristo disse ainda: “Que ouçam os que têm ouvidos para ouvir”.
Assim a Doutrina dos Espíritos realiza o que Jesus disse do Consolador Prometido: conhecimento das coisas, que faz o ser humano saber de onde vem, para onde vai e porque está na Terra: chamando todos ao cumprimento da lei de Deus e consolando pela fé e pela esperança.
A Doutrina dos Espíritos é consoladora por que...
-Elimina a ideia de um Deus vingativo e mau, informando que o Criador é onisciente, onipresente, onipotente, imaterial, único, Inteligência Suprema que rege o Universo com justiça e sabedoria, através de leis imutáveis e universais;
-Esclarece que o Pai Celestial nos criou a fim de que, por mérito próprio, alcancemos a perfeição relativa;
-Torna claro o que é o livre-arbítrio, explicando as diferenças  sociais, morais, intelectuais e materiais, com base nas escolhas que cada   Espírito faz em sua trajetória evolutiva;
-Comprova a sobrevivência do Espírito imortal, após a morte do corpo físico; retira o véu de incertezas e mistérios acerca do mundo espiritual, explicando o que acontece quando há a morte do corpo material;
-Explica a ação dos fluidos utilizados no passe e na água magnetizada, e sua ação no reequilíbrio físico e espiritual;
-Possibilita uma maior compreensão da prece, poderoso instrumento de ligação com a espiritualidade superior, abrindo canais de inspiração e auxílio;
-Impulsiona a realização da reforma íntima, pois esclarece que “somos herdeiros de nós mesmos”, alertando para a Lei de Causa e Efeito;
-Remete à fé raciocinada, através do estudo das Leis Divinas, criando fortes alicerces para superar obstáculos; realizar a caridade e compreender o amor de Deus;
-Possui tríplice aspecto: ciência, filosofia e religião, sendo uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo espiritual;
-Faz compreender que a dor é prova ou expiação e, quando suportada  com resignação e fé, auxilia na melhora moral e no resgate de erros do passado, fazendo a evolução espiritual;
-Esclarece os ensinamentos de Jesus, modelo e guia da humanidade, facilitando a compreensão e a vivência de suas lições;
-Mostra o sentido e a razão da encarnação quando responde de modo claro e racional a perguntas como: Quem sou? De onde vim? Para onde vou? Qual o significado da existência? Qual o futuro da humanidade?
 -Faz da Casa Espírita uma escola de almas, na busca da superação das mazelas morais, objetivando a harmonia e a melhora espiritual do ser imortal, que somos...
=   =   =
Tu, que buscas consolo e respostas para tantas perguntas até hoje indecifráveis, verifica se elas não estão bem perto de ti. Sinta-as. Deixa tua mente limpa de outros pensamentos e descobrirás as respostas para as tuas dúvidas. Sê fiel nas tuas perguntas, que encontrarás o que procuras. Para aquele que busca a mente lhe responderá os questionamentos.
Se perderes alguém a que muito amavas, não a procures entre os mortos, pois não o encontrarás. Ele está bem junto de ti, pois ele não morreu. Encontra-se desencarnado, mas não liberto; invisível, mas não ausente. O verdadeiro ser, que é Espírito, não morre, não desaparece. Apenas não o vê, porque teus pensamentos ainda estão presos a seu corpo físico.  Ele é apenas o invólucro, onde se alojou o Espírito para poder crescer espiritualmente, através das experiências vivenciadas. Não deves prender-te a essa corpo, mas ao seu Espírito, aquele que foi criado por Deus e que é eterno.
O amor que dedicavas a essa pessoa, jamais deixará de existir, mesmo que o Espírito deixe o corpo físico. O amor é um sentimento que dura eternamente, e sendo o Espírito eterno, o amor também o é. Pensa, portanto, fortemente, com convicção, crendo que ninguém morre ninguém deixa de existir. O que acontece é somente a mudança de uma situação para outra, para o progresso espiritual. A existência terrena nada mais é que uma passagem da anterior para uma próxima existência. Deus não criou o ser humano, para depois destruí-lo. Não teria sentido algum. O ser humano (Espírito) foi criado para viver eternamente.
Quando te sentires deprimido, achando que a existência não tem mais sentido para ti; quando parecer que tudo acabou, que tua missão já foi cumprida e que nada mais resta a fazer neste mundo; e achares que cumpriste todas as tuas obrigações de filho, de pai, de esposo e de amigo: Para um minuto, e analisa tua existência, teus sentimentos. Se ainda estás aqui na Terra, se continuas existindo, é sinal de que alguém ou alguma coisa está precisando de ti. Talvez tua esposa precise de um braço forte a seu lado; talvez teus filhos necessitem de teus conselhos para encaminharem com retidão suas existências. Talvez aquele amigo precise de algumas palavras que o reanime novamente, e só tu o conseguirás, porque só tu tens as palavras certas; somente tu conseguirás dar-lhe novo alento, consolando-o, pois esta é a tua missão. A ti foram destinados dons para dividi-los com os outros. Se foste o escolhido para alguma missão  deves cumpri-la, pois só assim é que te sentirás feliz. Transforma a tua tristeza em algo positivo. Ajudar teu amigo ou alguém  que precise de ajuda, somente trará benefícios para ti, tornando-te uma pessoa feliz. Desta forma, tuas ações tornar-se-ão uma realidade e transformarás a existência dos outros. Segue, pois, ajudando e consolando, porque essa é a missão de todos os que desejam o bem estar e a evolução espiritual.
Se estiver á procura da felicidade não a encontrarás fora de ti, pois ela já existe em teu interior. A felicidade é feita de pensamentos nobres, boas palavras, atos bons e belas atitudes. Quando compreenderes isso, não precisarás mais procurá-la por ai. Teus pensamentos, palavras, atos e atitudes deverão sempre conter algum significado, pois só assim é que descobrirás o que procuras. Ela vive contigo, faz parte da tua existência, pois não é matéria nem algo exterior. A felicidade pode simplesmente ser um pensamento bom, uma palavra de consolo, uma atitude correta e boa. Se pensares, falares e agires somente coisas boas, pode ter a absoluta certeza que já a encontraste em ti mesmo.
Agradece a Deus a pessoa que és. Agradece a teus pais, a tua esposa, a teus filhos. Agradece como foste criado, agradece a tua força de vontade, tua persistência, tua maneira de ser e de viver. Agradece por poderes ver as coisas belas que existem no mundo; agradece o teu trabalho, as pessoas que convivem contigo, agradece aos amigos que tens, os bons pensamentos, boas atitudes, por seres sincero, bom e honesto, sem problemas de consciência.  Agradece também a quem te quer bem e àqueles que não compartilham de tuas ideias, tuas atitudes; agradece enfim, a tudo e a todos. Agradece principalmente a Deus por estares nesta existência que vai te levar a perfeição.

Fontes:
Livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo”
       ”O Que é o Espiritismo”
       “Caminhos da Paz”
+  pequenas modificações

Jc.
 S. Luís, 23/6/2013
 Refeito em 30/7/2018

MEDO DE TUDO




 
Gato preto, aranhas, escorpiões, serpentes, aviões, altura, mas também belas mulheres, telefones, palhaços, sogras... As fobias mais estranhas e as terapias que ajudam a superá-las. A lista das fobias mais insólitas poderia continuar ao infinito.
Imagine cruzar na rua com uma garota linda, daquelas de parar o trânsito. Se, em vez de se voltar para admirá-la, você começa a tremer e a suar frio, enquanto a náusea e a opressão o invadem; provavelmente você sofre de caliginefobia, um terror por belas mulheres. Talvez ainda com uma boa pitada de filematofobia, um medo doido de beijar e ser beijado. Mas se os beijos forem da sua sogra, então sofre de penterafobia. Há quem tremee não apenas de frio – quando cai á neve (quionofobia) e quem tem um pavor das sombras (erefobia) que acaba vivendo na escuridão. Outros temem os ângulos e os cantos das casas e dos edifícios (gonofobia), ou aproximar-se de um computador (ciberfobia). Embora bizarros, esses distúrbios existem, são sérios e podem atacar qualquer pessoa e ainda bloqueá-la.
“O medo é democrático”, diz Giorgio Nardone, psicoterapeuta e psicólogo, diretor do Centro de Terapia Estratégica de Arezzo, na Itália. Diz ele que em 20 anos de terapia, cuidou de  15 mil pacientes dos quais 52% mulheres e 48% homens. Nem mesmo médicos e psicólogos, que quase diariamente cuidam de pessoas fóbicas, estão a salvo da síndrome. Em suma, se para você fobia era algo ligado a aranhas, serpentes ou aviões, chegou a hora de atualizar o glossário. Na internet há vários deles com mais de mil verbetes coletados. Infelizmente, mais que oferecer ajuda terapêutica a quem sofre desses distúrbios, tais catálogos servem mais para satisfazer a curiosidade dos leitores “sadios”.
Diante de um caso de fobia bizarra, alguns riem, outros fazem piada, e outros se irritam. Na maioria das vezes não há motivos para riso. As fobias são patologias que podem tornar muito dura á existência das pessoas acometidas. Embora alguns tipos moderados de fobia sejam considerados apenas “tiques” da pessoa, outros incomodam e não são tolerados. É difícil confessar a amigos e a conhecidos que se tem medo de objetos e situações aparentemente tão “inócuos”. Arrisca-se a ser tomado por doido, um débil ou uma pessoa de caprichos.
Taquicardia, náusea, vertigem, tremores, medo de desmaiar,  pânico, e sentimento de aperto no peito, perder o controle ou morrer, são sintomas frequentes e comuns nos fóbicos mesmo independente dos medos que os atormentam. É comum a eles tentares afastar a qualquer custo os objetos e as situações que temem. Também a maior parte dos fóbicos tem relutância em procurar um especialista, sobretudo nos casos de fóbicos atacados por distúrbios mais bizarros, que procuram esconder seus temores pelo tempo mais longo possível.
Os especialistas divergem quanto à origem das fobias. Há os que pensam que a responsabilidade é em grande parte da genética. Examinando o DNA das pessoas que sofriam de ataques de pânico, fobias ou outros distúrbios de ansiedade, o cientista espanhol Xavier Estivill notou que 97% delas sempre apresentavam uma duplicação do material genético presente no cromossomo 15. É possível, portanto, que os genes estejam de algum modo envolvidos na origem desses casos. Não importa a origem, o medo é um peso que trazemos desde sempre. Nossos antepassados pré-históricos sofriam de medo dos relâmpagos (ceraunofobia). Foi esse instinto primitivo – quase um sistema de alarme que alerta os sentidos e prepara o corpo para reagir – que ensinou aos antigos a se abrigar deles. “O medo é a melhor arma de sobrevivência que dispomos”, afirma Nardone.
Nenhuma surpresa, portanto, se entre os estímulos fóbicos mais comuns estejam o sangue, a altitude, e os animais (medos que também afetavam nossos antepassados). Entre os animais mais temidos estão ás serpentes. Como atualmente é muito mais fácil morrer num acidente de carro do que por picada de cobra, tudo leva a crer que na nossa memória evolutiva permaneçam traços dos perigos que ameaçavam nossos antepassados. Por trás desses medos tão específicos esconde-se com frequência um desconforto pessoal mais sério. Por que então, não tentar resolvê-lo? Os terapeutas esperam os doentes para tratá-los.
A psicoterapia cognitivo-comportamental, por exemplo, propõe uma progressiva “dessensibilização” do estímulo fóbico que leva o paciente a enfrentar o objeto de seu medo. Começa ela com a tomada de consciência da situação temida e aos poucos a pessoa se aproxima dela até chegar a vivê-la por completo, mas agora não mais em uma situação de pânico. Outra solução é a terapia breve estratégica de Giorgio Nardone, que combate as fobias através de “rituais para espantar o medo”. Exemplo: Nardone recomenda a um garoto aterrorizado pela ideia de que poderia bater a cara contra os espelhos, que se protegesse com um capacete de Motocross. Absorvido pela tarefa de manter a cabeça protegida pelo capacete, o garoto retomou, quase sem o perceber, os hábitos que abandonara por causa do distúrbio. Em pouco tempo ele perdeu o medo de espelhos e largou o capacete. Nesse caso, a fobia foi vencida mudando o foco  da atenção. Já o método psiquiátrico prevê, para certos tipos de fobias sociais (distúrbios q         ue levam as pessoas a se fecharem em si mesmos, evitando o contato com os outros) o tratamento com antidepressivos como a paroxetina. Esse remédio reduz os sintomas externos do distúrbio, mas não combatem suas causas pela raiz. Além disso, apresentam risco de criar dependência.
Veja a seguir, dez fobias surpreendentes:

Desidofobia.  Medo de tomar decisões.
Nomofobia.  Medo de ficar desconectado da rede.
Filofobia.  Medo de apaixonar-se e de amar.
Anuptafobia.  Medo de permanecer solteiro.
Deipnofobia.  Medo de conversar durante as refeições.
Bolsenofobia.  Medo dos comunistas.
Barofobia.  Medo da força da gravidade.
Eufobia.  Medo de receber boas notícias.
Siderodromofobia.  Medo de viajar em trem.
Consecotaleofobia.  Medo dos palitos orientais usados como talheres.

Maiores informações sobre o assunto acesse “Nossos Medos”

Fonte:
Revista “Planeta” – edição 539
+ Pequenas modificações.

Jc.
São Luís, 15/4/2018

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

ATENÇÃO, ESPÍRITAS DO MARANHÃO




 
A Federação Espírita do Maranhão, vem por meio deste,  convidar os espíritas para se inscreverem  no IV Encontro Estadual da Área de Estudo do Espiritismo do Maranhão, a realizar-se nos dias 24 a 26 de agosto de 2018, no Auditório da Fama /Pitágoras, localizado na Avenida São Luís Rei de França, 32, próximo ao Shopping Rio Anil. A inscrição ao evento pode ser realizada diretamente na Federação (www.femar.org.br) ou através do telefone (98) 3232-9907, ao preço de 20 reais. A inscrição também pode ser realizada no local no dia 24/8, na palestra de abertura ao público, que será realizada ás 20 horas.
O orador será o senhor Cosme Massi, físico da UFRJ, Mestre e Doutor em Lógica e Epistemologia pela UNICAMP/SP, escritor, palestrante e estudioso da ciência e filosofia Espíritas baseadas em Allan Kardec e da Kardecpedia; autor de livros e de publicações Espíritas, que vem ajudando milhares de pessoas a estudar mais e melhor a obra “O Livro dos Espíritos”. “A Estrutura Didática de O Livro dos Espíritos e Espíritos e Matéria: Diálogos Filosóficos sobre as Causas Primeiras”.
A programação é a seguinte:
Dia 24/8 - sexta-feira -
20 horas. -  Palestra (aberta ao público) sobre: Allan Kardec: Sua Missão e Obra.
Dia 25/8 – sábado -
8  horas – Credenciamento
8.30 hrs – Prece Inicial e Momento de Arte
9  horas. -  Seminário – Por que Estudar as Obras Fundamentais?
10,30 hrs -  Intervalo
11 horas – Perguntas e Respostas
12 horas -  Prece e Encerramento.

Dia 26/8 – domingo –
8,30 hrs.- Seminário – A Estrutura Didática de O Livro dos Espíritos
10 horas - Intervalo
10,30 hrs -  Perguntas e Respostas
11,30 hrs. -  Homenagem aos 150 anos de “A Gênese”
12,30 hrs. – Prece e Encerramento.


Jc.
São Luis, 6/8/2018

segunda-feira, 30 de julho de 2018

PRINCÍPIOS DA EVANGELIZAÇÃO INFANTIL






 
1- DEUS -  É a inteligência suprema e soberana, único e eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente justo, misericordioso e bom, infinito em todas as perfeições. Tal é o ensino em que repousa o edifício universal. Esse farol cujos raios se estendem por todo o Universo, única luz capaz de guiar o ser humano na sua trajetória de evolução. Se o ser humano há errado tantas vezes, é unicamente por não ter seguido o roteiro que lhe estava indicado. “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento”. Este é o grande primeiro mandamento.  O segundo é semelhante a este. “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.  Eis toda a lei divina, mediante a qual governa Deus os infinitos mundos no Universo.
2- JESUS - Constitui o tipo de Espírito com perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus nos oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei de Deus, porque sendo ele o mais puro já aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava. Muitas leis constantes no Velho Testamento são apresentadas como leis divinas, porém são simples leis humanas, criadas por Moisés conter  o povo ignorante e hostil daquela época e para servir às paixões e dominar os seres humanos.
3- DOUTRINA DOS ESPÍRITOS – (Espiritismo) Realiza o que Jesus disse do Consolador prometido: relembrando tudo o que Ele ensinou, e exemplificou, em amor e bondade, com o conhecimento das coisas e fazendo com que o ser humano saiba de onde vem, para onde vai e por que está na Terra; convidando todos para o exercício dos verdadeiros princípios da lei de Deus que consola pela fé e pela esperança.
4- LEI DO AMOR -  “O amor resume a doutrina de Jesus, inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso realizado”. “Amai-vos uns aos outros, eis toda a lei divina, mediante a qual governa Deus os mundos”. Não esqueçamos nunca que o Espírito, qualquer que seja o grau de seu adiantamento, sua situação como reencarnado ou na Espiritualidade, está sempre colocado entre um superior que o guia e o ajuda a se aperfeiçoar, e um inferior, para com o qual tem sempre que cumprir esses mesmos deveres. “Sede brandos e amorosos para com os seres mais inferiores da criação, e tereis obedecido à lei de Deus. O amor é a lei de atração para todos os seres vivos”.
5- LEI DO TRABALHO -  O Espírito formado na escola do trabalho dela sai mais forte e mais apto para as grandes realizações. Dentro dos postulados espíritas, o cuidado e o carinho têm tomado proporções gigantescas e, do norte ao sul do Brasil, ao surgirem instituições evangélicas-espíritas, onde os espíritos encarnados  recordam as lições recebidas na Espiritualidade, firmando os pontos básicos da edificação do caráter. Entretanto, dada ás ocupações rotineiras, o ensino da Doutrina dos Espíritos às crianças e aos jovens, limitam-se á algumas horas semanais, algumas leituras, sem a prática da observação e do trabalho. É necessário levar as crianças e os jovens ao trabalho prático, nos hospitais, nos  asilos, nas visitas aos enfermos, na doação de um pão aos carentes. Trabalhemos com Jesus para que o Mestre projete sua luz sobre quantos desejam em verdade trabalhar, servir e amar.
6-  AS CRIANÇAS -  São os seres que Deus manda para nós, com todos os aspectos da inocência. São como borboletas que ainda não saíram do casulo e quando saem nos encantam. Ainda quando se trata de uma criança de maus pendores, as más ações cobrem-se com a capa da inconsistência.  Essa inocência não constitui superioridade real. Deus lhes deu esse aspecto de inocência por causa  dos pais,  de cujo amor necessita. A delicadeza  da  idade Infantil, as tornam acessíveis aos conselhos dos que devem fazê-las progredir.  Tal é o dever que Deus impôs como missão sagrada aos seus pais, parentes e professores.
7- CRIANÇA EVANGELIZADA, HUMANIDADE TRANSFORMADA – Nasce a criança, trazendo consigo o patrimônio moral que lhe marca a individualidade. No entanto, receberá os reflexos dos pais e dos mestres que lhe imprimirão as imagens cerebrais que, em certas ocasiões, lhe influenciarão a existência inteira. Desde pequenina a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz de sua existência anterior. Os pais devem observar os pequenos indícios reveladores de tais vícios e cuidar de combatê-los, sem esperar que criem raízes. Também os exemplos dos pais serão importantes para moldar o caráter das crianças. “A pureza do coração é inseparável da simplicidade e da humildade, excluindo toda ideia de egoísmo e orgulho. Por isso é que Jesus toma a infância como emblema dessa pureza”.  Para uma mãe, seu filho é sempre um anjo e assim era preciso que fosse para lhe cativar a solicitude. São importantes as lições oferecidas por Jesus, quanto à infância, uma vez que, de Sua passagem pela Terra, Ele a colocou em posição de destaque, ao dirigir-se às crianças com doçura, amorosamente abraçando-as, abençoando-as, impondo-lhe as mãos. O “deixai vir a mim as criancinhas” foi e continua sendo a preciosa lição de Jesus, que nos convida a perceber a necessidade de se cuidar desde cedo da educação da criança e do jovem. A criança abandonada  ressurge no adolescente inseguro e revoltado e como adulto, na posição de ser humano violento.
8- A EDUCAÇÃO - Qual seria, pois, o principal instrumento para o alcance do divino desígnio de evolução do ser humano? – Sem prescindir de outros fatores, a resposta em todos os tempos é a mesma – educação. Entre os instrumentos pedagógicos disponíveis a evangelização infantil, se assemelha a uma semeadura. “Eduque a criança no caminho em que deve andar e até quando envelhecer, não se desviará dele” Provérbio 22.6
9-  A NOVA HUMANIDADE -  O ser humano será o que da sua infância se faça. A tarefa da educação é de relevância, enquanto que a da evangelização é de urgência salvadora. Quem instrui, oferece meios para que a mente alargue a compreensão das coisas e entenda a existência; quem educa, cria os valores ético-culturais para uma vivência nobre e ditosa; quem evangeliza, liberta para uma existência de paz, harmonia e felicidade. Sem a renovação espiritual da criatura para o bem, jamais chegaremos  ao nível  superior  que  nos  compete  alcançar  e santificar a humanidade no mundo redimido do amanhã.
10- MENSAGEM DA CRIANÇA - “Dizes que sou o futuro. Então, não me desampare o presente. Dizes que sou a esperança da paz; não me induzas à guerra. Dizes que sou a promessa do bem; não me confies ao mal. Dizes que sou a luz dos teus olhos;  não me abandones às trevas. Não espero somente o pão; dá-me também luz e entendimento. Não desejo apenas o teu carinho; suplico-te amor com que me eduques. Não te rogo apenas brinquedos; peço-te bons exemplos e boas palavras. Não sou apenas ornamento em teu caminho; sou alguém que bate à porta em nome de Deus. Ensina-me a humildade e o trabalho, o devotamento e o perdão. Orienta-me para que eu seja bom e justo... Ajuda-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar...            (Meimei)

Fonte:                                                                                                                              9º Efas, realizado em São Luís.
Allan Kardec  -  Emmanuel  -  Bezerra de Menezes                                                                                         
+ Supressões, acréscimos e pequenas modificações.

Jc. São Luís, 24/4/2017  
 Refeito em  22/7/2018                                                                                              


A AMEAÇA DE GOLPE





 
Cultiva-se silêncio sobre a quantidade de brasileiros que são simpáticos a uma saída autoritária (militar). Mas falar dessa assombração, e falar em voz alta, é o melhor antídoto para espantá-la para longe.
Responda com franqueza, por favor: se amanhã o ministro Gilmar Mendes, por exemplo, fosse despejado do seu gabinete no Supremo Tribunal Federal, por um terceiro-sargento do Exército, enfiado num camburão verde-oliva e entregue na penitenciária da Papuda por ordem do alto-comando das Forças Armadas, quantas lágrimas você derramaria por ele? Esqueça as lágrimas. Você, ao menos, diria alguma coisa, qualquer coisa, contra a prisão do ministro? Ou ao contrário, acharia muito bem feito o que lhe aconteceu? Só mais uma coisa: entre Gilmar Mendes ou Tóffoli, ou Lewandowski,  e o general que mandou todos para o xadrez, depois de evacuar o prédio e passar a chave no STF, você ficaria ao lado de quem?
Para completar o exercício, vamos juntar ao Supremo o Congresso Nacional inteirinho, com seus 513 deputados federais e 81 senadores, os 27 governadores, as centenas de prefeitos e mais os milhares de reizinhos, sem concurso público e sem competência, nomeados para mandar na máquina pública – onde se dedicam a roubar o Erário, tirado do nosso bolso, para si e seus chefes, e a infernizar a nossa existência. Se as Formas Armadas assumissem o governo,  fechassem o Congresso e demitissem  essa gente toda,  de preferência mandando a maioria para o xadrez, tente calcular quantos brasileiros ficariam a favor dela e quantos ficariam a favor dos militares. Chegue então às suas conclusões.
Intervenção militar, regime militar – quem gosta de falar dessas coisas abertamente? É preciso ficar contra, é claro – e ficar contra agora pode vir a ser um belo problema depois, se a casa acabar caindo um dia. É verdade que o cidadão que tem algum tipo de interesse em política já não sente maiores incômodos em tocar no assunto, principalmente se não tem mais paciência com o lixo que as mais altas autoridades da República produzem sem parar e depositam todos os dias à sua porta. Não chega a ser uma surpresa fenomenal, assim, que um número cada vez maior de cidadãos esteja começando a achar
que seria uma boa ideia se os militares assumissem de novo o governo do Brasil para fazerem uma limpeza em regra na estrebaria que é hoje a vida pública do país.
Mas, entre os políticos, nos meios de comunicação, nas classes intelectuais e em outros lugares onde as pessoas supostamente “entendem” dessas coisas, é um assunto que se trata como um porco-espinho – com extremo cuidado. É melhor não ficar comentando em voz alta e dizem. Não é o momento, não é o caso, não “se trabalha com esse cenário”. É como falar mal do defunto no velório, na frente do caixão. Tudo bem. Mas não é assobiando que se espanta a assombração. Nem fazendo cara de preocupado em programa de televisão ou escrevendo artigos para solicitar aos militares, por favor, que respeitem rigorosamente a Constituição; as instituições e os monstros que criaram e hoje estão soltos por aí. É preciso muito mais do que isso.
Está complicado, em primeiro lugar, porque muita gente nem acha que essa assombração é mesmo uma assombração – ao contrário, acham que é a equipe de resgate chegando para salvar os feridos. Quantos brasileiros, hoje, seriam a favor de uma intervenção militar? É pouco provável que os institutos de pesquisas façam a pergunta, porque têm medo de ouvir a resposta – mas eis aí, justamente, um indicador muito interessante. Dá para deduzir, por ele, que uma grande parte da população receberia com uma salva de palmas, as imagens de tanques rolando nas ruas e políticos, ministros supremos e empreiteiros de obras atropelando-se uns aos outros para fugir pela porta dos fundos. Em segundo lugar, está complicado porque as democracias só ficam em pé se são vistas como um bem importante e compreensível pela maioria da população – e se há um número bem suficiente de cidadãos dispostos, de verdade, a brigar por sua manutenção.
Muito bem: quantos brasileiros acham que estão realmente beneficiados, em sua vida cotidiana,  por essa democracia que veem desfilar à sua frente no noticiário de cada dia? E quantos topariam sair à rua para defender, por exemplo, o mandato dos senadores Romero Jucá, Renan Calheiros, Edson Lobão ou Jader Barbalho? O fato, é que não vai embora por mais que se queira fazer de conta que “as instituições estão funcionando”, porque praticamente ninguém, (com raríssimas exceções) no mundo político,  merece o mínimo respeito do cidadão hoje em dia. Honestamente: alguém seria capaz de dizer o contrário? Se os encarregados de manter o regime democrático em funcionamento se desmoralizam todos os dias, e desprezam abertamente as regras da democracia com suas condutas criminosas, fica difícil supor que esteja tudo bem. Nossas autoridades “constituídas” acham que está.
Como a Constituição diz que é proibido fechar o Supremo, o Congresso, etc., imaginam os políticos que podem continuar fazendo qualquer barbaridade que lhes passar pela cabeça, Imaginam que os militares, informados de que existe uma “cláusula pétrea” mandando o Brasil ser uma democracia, se veriam obrigados, por isso  a continuar assistindo em silêncio à anarquia promovida diante de seus olhos, por magistrados do STF, presidente, governadores, ministros de Estado, lideres parlamentares e demais peixes graúdos que têm o dever e a  obrigação de sustentar o cumprimento das leis – mas vivem em pleno colapso moral e não conseguem mais segurar nem uma barraca de praia.
É cansativo ouvir, mais uma vez, que a democracia é uma coisa e as pessoas que ocupam os cargos de governo são outra. Não se devem confundir as duas, reza a doutrina, pois nesse caso um regime democrático só poderia existir numa sociedade de homens justos, racionais e bondosos. Se as pessoas que mandam estão mandando mal, a solução é substituí-las por outras por meio de eleições, processos na justiça e demais mecanismos previstos em lei. Mas o Brasil está fazendo mais ou menos isso desde 1985, e até agora não deu certo. Alguém tem alguma previsão sobre quanto tempo ainda será preciso esperar? A democracia brasileira faliu; é possível que nunca tenha tido chances reais de existir, por insuficiência de gente realmente disposta a praticá-la, mas o fato é que estão tentando fazer o motor pegar há mais de trinta anos, e ele não pega. Talvez ainda desse para ir tocando adiante por mais tempo, com um remendo aqui e outro ali. Acontece que neste momento, justamente, há muito menos esforço para escorar o que está bambo do que para tacar fogo na casa inteira.
A questão central, curiosamente, é a manutenção da lei. Nove em dez golpes são dados por quem tem o poder e quer mandar a lei para o espaço. Aqui parece estar se montando o contrário, pois os militares dizem, como deu a entender semana atrás o general  Eduardo  Villas Boas,  comandante do  Exército,  que exigem  o cumprimento da Constituição e das leis penais para continuar nos quartéis. Quem está querendo abolir a aplicação da lei são os que têm a força, mas chegaram à conclusão de que não conseguem sobreviver se forem mantidas as regras atuais da democracia brasileira. Está mais do que claro de quem se trata. Trata-se em primeiro lugar, do ex-presidente Lula, do PT e dos seus partidos auxiliares. Em segundo lugar, vem o populoso cardume de políticos, dos partidos, que estão fugindo da Justiça Penal por prática de corrupção e outros crimes – são centenas de indivíduos, sem dúvida. E em terceiro lugar, fechando a trindade, estão as empreiteiras de obras públicas, fornecedoras do governo e o restante das gangues que vivem de roubar o Tesouro Nacional.
Todos esses precisam desesperadamente de uma virada de mesa que solte Lula da prisão e salve da linha de tiro os ladrões ameaçados pela lei e devolva condições normais de operação para o negócio da malandragem de dinheiro público em geral. O último esforço em seu favor foi essa grosseira ofensiva dos ministros Gilmar, Tóffoli e Lewandowski para tirar Lula da prisão, suprimir provas dos processos criminais que ele tem pela frente, anular sua condenação, impedir o trabalho do juiz Sérgio Moro – em suma, fraudar a Justiça Penal brasileira numa trapaça de escala realmente monumental, com o vago objetivo de “zerar tudo”. É o sonho de Lula e seus bem pagos advogados ricos de Brasília, do Complexo PT-PSOL-PCdoB, etc., e de dez entre dez ladrões sob a ameaça de punição: declarar a Operação Lava Jato ilegal, sumir com tudo o que ela já fez, está fazendo ou vai fazer e demitir o juiz Sérgio Moro a bem do serviço público, e ainda com todos os magistrados que combatem a corrupção no Brasil. Eles não dizem isso, é claro: sua conversa é que estão aplicando o embargo dos embargos de agravo teratológico com efeito suspensório, diante da combinação hermenêutica de mutatis mutandis interlocutórios com ora pro nobis infringentes.
Não perca o seu tempo com o vodu jurídico do STF sobre o “direito de defesa” que a mídia repassa para você com casca e tudo: é pura tapeação para ver se soltam Lula da cadeia e ajudam a ladroagem – primeiro para que ele escape da penitenciária e, em seguida, para permitir que continue roubando em paz. É disso que se trata. Há, simplesmente, uma guerra contra o estado de direto neste país, comandada pelas forças  que não podem conviver com ele. Lula e o seu sistema de apoio não querem a democracia. Recusam-se, abertamente, a cumprir a lei e a aceitar decisões legítimas da Justiça; sabem que não têm futuro num regime democrático, com poderes independentes, Lava Jato, imprensa livre e o restante do pacote. Estar no governo, para essa gente, não é a mesma coisa que seria para você.  Eles precisam estar no governo, não só para ter empregos, fazer negócios e ganhar dinheiro da Odebrecht e outras, mas porque enfiar-se no poder é a diferença entre estar dentro ou fora da cadeia. É por isso que os senadores petistas Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, entre outros se agitam tanto. Se as leis continuarem a ser normalmente aplicadas, eles poderão ter diante de si, em breve, ações penais duríssimas.
É por isso que o deputado Wadih Damous, também do PT, disse outro dia que “é preciso fechar o Supremo Tribunal Federal” – depois de reconhecer que o ministro Gilmar é um “aliado” do partido. (O deputado não esclareceu o que pretende fazer com ele, mais os Tóffolis, Lewandowskis e similares, depois de fechar o STF.) O mundo político e a elite, caídos de quatro no chão, olham em silêncio para tudo isso, aterrorizados por Lula e assustados com a voz da tropa. Quando quiserem reclamar, poderão se ver reclamando tarde demais e em pouca companhia...

Fonte:
Revista “Veja” edição 2581
Artigo de J.R. Guzzo
+ Algumas modificações

Jc.
São Luís, 21/5/2018