quinta-feira, 1 de junho de 2017

TEMOS COLABORADO PARA A MELHORA DO MUNDO?




Enquanto a Charities Aid Foundation informa que o Brasil subiu 37 posições no ranking da solidariedade, detalhando que subiu de 20% para 30%, as pessoas que doaram  dinheiro, e que o trabalho dos voluntários subiu de 13% para 18%, e que 54% dos brasileiros disseram ter ajudado alguém, nos alegra e nos convida a participar desse contingente.
Apesar dessa notícia favorável, o Brasil ainda está em 68º lugar. Mesmo considerando a crise econômica em 2015, muitos brasileiros fizeram doações; sendo 62% em bens, 52% em doações de dinheiro e 34% em doação do seu tempo em trabalhos voluntários.  Esses dados mostram que a despeito de tantos problemas, o povo brasileiro é solidário.
De que maneira podemos contribuir para melhorar essa situação? Ajudando alguma instituição filantrópica; contribuindo para a melhora de alguma pessoa, por meio de ajuda, orientação, esclarecimento;  colaborado na preservação da Natureza. Sabemos e comprovamos que a maioria das pessoas no mundo não são apenas insensíveis, malvadas, corruptas, desumanas e criminosas, como os órgãos de comunicação nos querem fazer acreditar, pois, os que são mencionados são minorias em relação aos que lutam, trabalham e ajudam, que são ignorados e desconhecidos pelos órgãos que deveriam também noticiar os gestos de bondade e caridade praticados pelas pessoas de bem e ainda pelas instituições beneficentes que se espalham pelo Brasil afora.
Por que os meios de comunicação se esmeram em publicar somente notícias negativas como corrupção, desastres, violências, crimes, mortes e omitem fatos e situações em que o bem é praticado tanto por pessoas como pelas Entidades Filantrópicas? É porque vivemos num mundo ainda inferior onde á maldade de muitas pessoas dão audiência a essas situações que são exploradas pela imprensa, enquanto ás (ações de amor, bondade, generosidade, fraternidade e caridade) praticados por milhões de outras pessoas, são ignoradas e ficam na obscuridade. No tempo em que a Terra já estiver na categoria de Regeneração, ela será habitada por Espíritos mais  evoluídos, (que já estão entre nós), onde não mais existirá  esses fatos lamentáveis que servem hoje de notícias para os órgãos de comunicação.
Todos nós desejamos um Brasil de paz, harmonia e de bem estar para esta geração e as que virão em seguida, porém, isso não acontece espontaneamente; é necessário que  arregacemos as mangas e comecemos a trabalhar nesse sentido,  criando o hábito de nos harmonizar, vivermos em paz e ajudar os nossos semelhantes. 
Em nossos relacionamentos, diante das diferenças normais que nos caracteriza a jornada evolutiva, é natural que em muitas questões e situações, nos encontremos em lados opostos. O adversário não precisa ser nosso inimigo, apenas por discordar de nossa postura e ideais. Infelizmente, ainda constatamos muita violência, muita falta de respeito, mesmo entre aqueles que se consideram civilizados, mesmos entre os amigos e familiares, quando não identificados nas mesmas ideologias ou formas de conduta no convívio social. Temos, naturalmente, o direito de expressarmos nossos ideais, nosso ponto de vista, sem que isso represente ou justifique  ações impositivas, desrespeitosas, agressivas e intolerantes com quem quer que seja.
Observando esses comportamentos, mesmo dos que se dizem Cristãos e chegamos á  conclusão de que ainda estamos longe de entender e mesmo vivenciar com os nossos semelhantes as lições e os exemplos de Jesus. A mensagem autêntica do Mestre nunca foi conivente com o mal, com o crime e as mazelas que existem hoje e em todo o passado humano. Jesus sempre combateu a violência, pregando a paz; a intolerância, com a indulgência; o inconformismo com a compreensão;  os queixumes, com resignação e fé;  a vingança com o perdão;  o egoísmo, com a caridade; o ócio, com o trabalho; o orgulho, com a humildade;  o ódio, com o amor. Ele não apenas pregou, mas demonstrou e praticou tudo  que ensinava. Considerado o mais elevado Espírito entre todos nós até hoje, e foi tão grande que não coube na história; dividiu-a em: antes e depois d’Ele.
Muitos poderão dizer que somos imperfeitos e que ainda não conseguimos amar como Jesus nos amou em sua mais autêntica pureza. Naturalmente a evolução não dá saltos, mas devemos cuidar do nosso processo evolutivo, pois se desejamos o progresso no mundo, consciente e menos penoso, e a felicidade que desejamos, necessitamos empreender todos os nossos esforços, dentro de nossas possibilidades atuais, para seguir Seus ensinamentos de amor e redenção.
Os tempos anunciados da transição planetária e suas manifestações conflitivas e dolorosas, pedem o  testemunho de amor por parte de todos aqueles que já conhecem a orientação divina para a implantação do mundo de regeneração, em que o bem deve ser praticado indistintamente.
Um belo exemplo de ajuda é a doação se sangue. Doar sangue ainda não faz parte da cultura do brasileiro, mas continua sendo a única maneira de salvar a existência de quem precisa de transfusões de sangue, pois a medicina ainda não descobriu uma forma de substituir o sangue humano. Quem por algum motivo, precisa de uma transfusão, está completamente dependente de doação, e o único jeito de superar essa realidade é com a conscientização da coletividade. Muitas pessoas não doam o sangue por medo de contaminação, mas é preciso esclarecer que doar sangue não faz mal para o doador, e não há qualquer risco de contaminação. A tecnologia hoje empregada e os procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Saúde garantem essa segurança. O Brasil é, inclusive, referência mundial pelos métodos adotados.
Quem deseja doar sangue tem que ter entre 16 a 69 anos de idade e peso acima de 50 quilos, sentir-se bem, estar com saúde, descansado e ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas e estar alimentado sem gorduras, nas 4 horas que antecedem a doação, e ainda, apresentar documento de identidade. Homens podem doar após 60 dias, fazendo 4 doações em 12 meses e as mulheres em 90 dias, fazendo 3 doações durante o ano. Uma dúvida muito frequente  é sobre a reposição do que é doado, mas o volume é reposto de forma imediata. Só em relação aos componentes é que os prazos são maiores: as plaquetas levam de 5 a 7 dias para serem repostas e os glóbulos vermelhos levam até quatro semanas.
Trabalhemos em benefício de nossos semelhantes no serviço da construção de um mundo mais justo, pacificado e mais fraterno.  Não nos esqueçamos de que somos todos filhos do mesmo Pai Celestial,  agraciados pelo Sua  infinita misericórdia e incondicional amor. Que a caridade norteie os nossos pensamentos, palavras e ações, nesta hora escura de tempo de transição, horas difíceis e inevitáveis que antecedem uma nova alvorada, para todos os que perseverarem com o Mestre Amado na prática do  bem. . .  

Fontes:
Jornal “O Imortal” – 11/2016
Jornal  “Vitalidade” nº 73 – 01/2017
Jornal “Brasília Espírita” 01-02/2017
+ Modificações e acréscimos.

Jc.

São Luís, 09/2/2017

Nenhum comentário: