sábado, 10 de junho de 2017

A TERRA NO CONCERTO DO UNIVERSO





  O que está acontecendo com o nosso planeta? Por que em curto espaço de tempo, está ocorrendo terremotos, erupções vulcânicas, deslizamento de terras e enchentes, trazendo muito dor, sofrimentos e mortes? Será o fim do mundo, ou o sinal dos tempos dizem os alarmistas. Nós, espíritas o que dizemos?
Dentre as muitas obras doutrinárias que abordam esse tema, vale ressaltar o livro “Emmanuel”, psicografado por Chico Xavier e publicado em 1938 pela Federação Espírita Brasileira, que, em vários capítulos aborda a questão do atual estágio em que se encontra nosso orbe.
“... a Terra é apenas um minúsculo ponto obscuro no concerto sideral... região de provação de amargura e exílio, constituindo um planeta varrido, muitas vezes, pelos cataclismos do infortúnio e da destruição...” (pag. 86)
De fato, o telescópio Hubble, desvendando as fronteiras do Universo, veio demonstrar a existência de 200 bilhões de galáxias, contendo cada uma delas vários bilhões de estrelas. Hoje já se tem notícia da existência de quase 500 planetas além do sistema solar. Colocado em escala, o próprio Sol, comparado a outras estrelas, não passa de um grãozinho de areia no conjunto do Universo.
Além de ser infinitamente pequena, estima-se que a Terra tenha surgido 9,1 bilhões de anos depois da criação do Universo.  E se quisermos falar em humanidade, sabemos que o ser humano, na forma como existe atualmente, pensante, vivendo em sociedade, deve ter aproximadamente só 30 mil anos. Comparando-se com a idade do Universo e das infinitas galáxias e possíveis planetas, chega-se à conclusão de que a vida na Terra é muito recente.
Emmanuel afirma que “a Terra está povoada, em quase todas as latitudes, de seres que se desenvolveram com ela própria e que se afinam perfeitamente às suas condições”. E mais: que esses seres humanos, bem como os seus acompanhantes desencarnados, são espíritos atrasados em sua evolução, em cujas mentes ainda não se fixaram as noções de moralidade e dever, e sob a influência desses espíritos do além, que se comprazem em atrasar a marcha do progresso da humanidade terrena, grandes massas de pessoas se sintonizam, retardando também a própria caminhada.
Temos que admitir que estamos carregando conosco as marcas do estágio evolutivo terreno e o nosso próprio. Sem termos as corretas noções do dever, andamos tropeçando nos nossos próprios passos, cometendo erros e equívocos e temos que retornar para consertá-los em novas encarnações expiatórias.
Mas a Terra, além de lugar de expiação, é também o palco de novas provas muitas delas estão relacionadas com as condições do planeta que sofre ainda as injunções da sua própria evolução. As ocorrências catastróficas que nela ocorrem são contingências do seu próprio estágio. O mesmo se pode dizer para a maioria dos seres que aqui habita. Viver nesse tipo de mundo é estar á mercê dos incontroláveis fenômenos da natureza que aqui ocorrem, é sofrer-lhes os danos e esse sofrimento pode ser, simplesmente, prova necessário ao nosso adiantamento. Ainda que não passemos diretamente por tais provas, o fato de constatá-las no próximo é um convite a que reflitamos sobre a sua dor.
Sabermos que podemos ser passíveis de também sermos atingidos por tais fenômenos nos faz menos arrogantes e nos torna mais fraternos. Não é, pois, sem razão que Emmanuel afirma que “a experiência é necessária como chave bendita que descerra as portas da compreensão”. Cada uma das dificuldades que passamos, nos ajuda a alargar nossa capacidade de compreender o próximo. Quanto mais ricas e diversificadas forem ás circunstâncias das nossas diferentes reencarnações, maiores são as nossas possibilidades de nos tornarmos pessoas melhores. A questão é saber aproveitá-las. Não podemos esquecer que trazemos dentro de nós os germes da perfeição e o nosso destino é, de acordo com esse mentor, “conhecer as alegrias perfeitas da harmonia da vida”. Isso, porém, não nos será dado sem a contrapartida do nosso esforço. Temos que fazer a nossa parte, ampliando nosso grau de consciência e sintonizando nossas antenas para ouvir as palavras dos muitos espíritos evoluídos que, desde os tempos antigos, têm vindo a Terra ou nos enviado suas mensagens de orientação e estímulo; e Emmanuel é um deles.
Diz ele: “Nossa palavra é para que a Terra vibre conosco nos ideais sublimes da fraternidade e da redenção espiritual. Se falamos de mundos felizes é para que o planeta terreno seja igualmente venturoso; se dizemos do amor que enche a vida inteira da Criação Divina, é para que o ser humano aprenda também a amar a existência e os seus semelhantes, se discorremos acerca das condições aperfeiçoadas da existência em planos superiores do Universo, é para que os habitantes da Terra ponham em prática essas mesmas condições”.
Diante, pois, das calamidades que atingem contingentes de pessoas, tenhamos a certeza de que Deus está no comando e se compreendermos que tudo faz parte da nossa evolução, devemos aproveitar as oportunidades para fazer brilhar a nossa luz sob a forma de fraternidade, caridade e amor...

Bibliografia:
Lucia Moysés
Boletim do Serviço Espírita de  Informações
+ acréscimos e modificações


Jc.

São Luís, 13/05/2009
Refeito em 28/3/2017

Nenhum comentário: