sexta-feira, 30 de junho de 2017

A REDENÇÃO DO LEITE




  Muitas pessoas dizem que tomar leite faz mal. Especialistas afirmam que ele é um superalimento. Vejamos os fatos e os mitos desse assunto.
Você já fez a experiência de dar leite ao seu gato ou cachorro? As perguntas parecem jocosas, mas, para Antônio Herbert Lancha, professor de nutrição da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP), esse teste simples acabaria com o papo de que o ser humano é o único animal que toma leite mesmo depois de virar adulto. “Isso acontece  porque ele é o único que tem acesso à bebida”, afirma ele.
Tem muitas pessoas dizendo que adultos não precisam consumir leite e que, para piorar, ele carrega hormônios e provoca mal-estar. Especialistas, no entanto, defendem seu valor único para a saúde. Em meio a tanta polêmica, nada melhor do que conhecer o alimento e o que os estudos sérios andam dizendo dele.  Só assim você descobrirá se faz sentido ou não abrir mão de tomar leite.
Um copo de leite fornece... 6,4 gramas de proteínas, fundamentais para os músculos;  8 a 10 gramas de carboidratos, um verdadeiro combustível para o corpo;  6 gramas de gordura que, além de energia, dá saciedade;  244 miligramas de cálcio, o mineral que fortalece os ossos;  194 miligramas de fósforo, parceiro do cálcio na defesa do esqueleto.
Produtores em milhões de toneladas por ano: 1º lugar, Estados Unidos com 93;  Índia em 2º lugar com 66; China em 3º com 37; Brasil em 4º com 35; Alemanha em 5º com 32.
Para todos os gostos, o leite pode ser: Integral – A gordura marca presença  com uma proporção de 3% . Por causa dela, as vitaminas A e D, conhecidas como lipossolúveis, são preservadas, e tem 120 calorias;  Semi-desnatado – Tem de 0,6 a 2,9% de gordura, para sermos exatos. Em um copo de 200 mililitros, isso dá entre 1,2 e 5,8 gramas. Soma 85 calorias;  Desnatado – É o leite mais enxuto, com menos de 0,5% de gordura – o que dá no máximo, 1 grama em um copo, fornece 60 calorias, mas as vitaminas A e D nem dão as caras.
Da fazenda até a sua casa: 1- Direto da Vaca.  Ela costuma ser ordenhada duas vezes ao dia. Na maioria das fazendas, esse processo é mecânico – o leite vai direto  para um tanque; mas ainda há fazendas que realizam a ordenha manual. 2- A espera do caminhão. O leite permanece em um tanque refrigerado a 4ºC, onde fica girando para que a temperatura se mantenha homogênea. O caminhão passa a cada dois dias para buscá-lo. 3- Pé na estrada. Antes de entrar no caminhão, algumas análises são feitas no leite – para checar se não está azedo, por exemplo. Isso porque ele será misturado ao leite de outras fazendas. O interior do veículo é todo refrigerado. 4- Chegada na Indústria. Ao finalizar a viagem, o leite passa por mais um pente fino. Afinal, não se pode correr o risco dele contaminar todo o leite que já está dentro da fábrica. Se for dado o ok, aí, sim, o leite parte para o tanque da indústria. Sem lactose. Há várias formas de tirar a lactose do leite que será destinado ao  mercado. Um deles é adicionar a enzima lactase dentro do tanque e aguardar algumas horas até que ela quebre o açúcar do leite. 5- Adeus às bactérias. Chega então o momento do processamento térmico. O leite pode ser pasteurizado,  ou seja, submetido a um aquecimento  de 73ºC por 15 segundos. Ou ele passa pela ultrapasteurização (UHT), quando é aquecido  a 140 ou 150ºC por cerca de 2 segundos. O aquecimento mais brando leva à eliminação apenas dos micro-organismos causadores de doenças. UHT. Por causa da elevada temperatura, todas as bactérias – patogênicas ou não – são eliminadas. Esse leite é até chamado de estéril. 6- Para a embalagem. Após passar por um desses processos, o leite cai na embalagem que pode ser caixinha ou garrafa. Hoje, algumas marcas incluem um código que permite ao consumidor fazer uma espécie de rastreamento do produto. 7- Dentro de casa. É obrigatório manter o leite pasteurizado sob refrigeração e seu tempo de validade é menor. Já o leite UHT não exige geladeira (só depois de aberto) e dura muito mais tempo. Não precisa ferver antes de tomar.
O papel do leite ao longo da existência.  A partir do 1 ano. Se a criança não mamar mais no peito dar leite de vaca  reduziria  o risco de alergia ao alimento. Só não abuse. O excesso de proteína pode levar ao ganho de peso.  Na infância. O aporte ideal de cálcio, facilitado pelo leite, auxilia na formação dos ossos. Ele ainda contribui com triptofano, que garante um sono tranquilo à meninada.  Juventude  Esse é um período crítico, em que atingimos o ápice de massa óssea que nossa genética  permite. Aí está a importância do cálcio fornecido pelo leite. Fase adulta  Além de atuar na manutenção do esqueleto, o leite não deixa a massa muscular se esvair – sua proteína é excelente e também auxilia no controle do peso. Maturidade  Quando a mastigação já não está 100%, o leite ocupa o papel de principal fonte proteica. Alguns idosos podem penar na digestão devido à redução nos níveis de lactasse.
O tipo perfeito de leite para você O teor de gordura é só um dos aspectos que saltam aos olhos na hora da compra. Hoje, há leites com níveis extras de proteínas, vitamina D, ferro, fibras e por aí vai. “Se a alimentação não suprir a quantidade necessá- ria desses elementos, os produtos enriquecidos podem fazer a diferença, assim como as fibras, por exemplo, que andam em falta no prato dos brasileiros. Mas o ideal é corrigir esse tipo de situação, para não ficar dependente dos leites fortificados”  diz Márcia Gowdak, nutricionista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo
Quem tem alergia  Quando o problema é confirmado, a proteína do leite deve sumir da dieta. Mas, aos poucos, o sistema imunológico volta aos eixos. Para testar a reintrodução é feita devagar e sempre com orientação médica – isso porque podem ocorrer reações perigosas.
Quem é intolerante Segundo Olga Amâncio da Sban, geralmente essas pessoas toleram até 12 gramas de lactose, o que dá mais ou menos um copo de leite. Se preferir não ariscar, existem outros produtos sem lactose no mercado. Eles são indicados justamente para essas pessoas.
Fatos ou boatos?  Antes de repetir frases clássicas, veja se a história faz sentido (ou como explicá-lo melhor).
Leite pode dar muco?  Estudos não mostram isso. Pessoas que tomaram leite até relataram o incômodo, mas, na verdade, ficou claro que não produziram mais secreção nas vias aéreas.
Diabéticos devem tomar a versão sem lactose?  Nem pensar. O açúcar do leite continua alí, mas já quebrado. Ou seja, a absorção é até mais rápida.
Bebidas vegetais são boas substitutas para o leite?  O líquido que vem da amêndoa, do arroz e afins, não tem o mesmo teor de proteínas e cálcio do leite. A não ser que sejam fortificados com os nutrientes.
Consumir leite direto do animal é muito melhor?  Nunca, mesmo que a vaquinha seja sua. Só de olhar é impossível  saber se o leite tem bactérias perigosas, como a da tuberculose.
Tirar lactose emagrece  Mito! Não é que o leite zero lactose seja isento de açúcar. Ocorre que ele já virou glicose e galactose antes de sair da fábrica. Esse tipo de produto é direcionado somente a quem tem intolerância.
A alergia ao leite está mais freq         uente entre adultos?  Não. E, se ouvir alguém maduro dizer que tem problema, pode desconfiar. 
Esse quadro é comum em crianças  e tende a passar.
Leite de cabra tem menor potencial de dar alergia?  As proteínas  alergênicas do leite da vaca são bem parecidas com as da cabra. Logo, os alérgicos (de verdade) devem ficar longe de ambas. 
Se o leite sempre agradou seu paladar  e sempre fez parte da sua história, não há razão para botá-lo de lado.  Até porque, a julgar pelo serviço prestado há tempos à humanidade, dá para concluir que ele tem crédito na história da humanidade...   

Fonte:
Revista “Saúde é Vital” -  01/2017
Reportagem deThais Manarini 
+ Pequenas modificações. 

Jc.
São Luís, 5/2/2017                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          

Nenhum comentário: