terça-feira, 10 de novembro de 2015

AS CRIANÇAS E A TELEVISÃO




 O avanço tecnológico permitiu um progresso sem precedentes nos veículos de comunicação. Transmissões de locais de difícil acesso, imagens em tempo real via satélite e outros tantos recursos permitem que milhares de informações e imagens, das mais diversas culturas e fatos, invadem a nossa casa e os quartos de nossas crianças, através da TV ou da Internet. O que fazer? Liberar, proibir, ou o que deve ser proibido? São perguntas atormentam os pais angustiados.

O fato de a televisão ter se tornado uma “ocupação” constante para a criança é visto com cautela pelos pais. Ao mesmo tempo em que tal ação representa o indício  de que a criança está se integrando aos novos tempos, significa também que ela pode estar se envolvendo com o que há de pior neste espaço de informações e imagens indiscriminadas. Quanto maior a oferta de informação, maior a dificuldade em julgá-la, isto é, separar seu valor de exemplo ou de contraexemplo, distinguir seu caráter de realidade ou fantasia, qualificar como positiva ou negativamente a informação ou a imagem.

A violência e a erotização é uma constante e para esse excesso indiscriminado é que os pais temem expor seus filhos, e pode ser exemplificada no filme “A Vida é Bela”, de Roberto Benigni. Nele, um pai preso com seu filho num campo de concentração, finge que aquilo tudo não passa de uma espécie de jogo, uma brincadeira que no fundo não é tão real quanto parece. Observamos em muitos pais, o desejo de  tentarem restringir o acesso a essa realidade “dura demais”, impondo limites. É melhor não saber daquilo com que não se pode lidar ou entender. Estas duas atitudes de proteção, por desqualificação ou por restrição, estão cada vez mais difíceis de sustentar.

Em uma época onde é importante saber de tudo e o quanto antes, os pais se vêem pressionados a introduzir cada vez mais cedo os filhos nesse mundo de informações. Exemplo disso está no alto valor que a cultura “informática” adquire para a educação em nossa época. Mais além, deve-se registrar a sobreposição crescente entre o saber que se ensina formalmente nas escolas e o saber ligado ao entretenimento. Na classificação dos saberes, duas figuras encabeçam a lista do que se deve evitar expor as crianças: a violência e a erótica dos costumes.  É claro que programas que exploram diretamente tais aspectos, devem ter seu acesso vetado à criança. Há um consenso de que a exposição a tais programas é um fator de risco para o desenvolvimento social e cognitivo. Mas como fazê-lo? O veto ao acesso a certos programas ou jogos em função de seu risco potencial é muito difícil de cumprir.

Sabe-se que entre a oferta de um programa educativo bem produzido,
Para a faixa etária, e um lixo industrial potencialmente danoso, a escolha da criança pode se dirigir preferencialmente para o primeiro caso, principalmente se os pais e a escola trabalharem ativamente nesse sentido. Diante da intensa e extensa exposição da mídia, a que nossas  crianças são submetidas, e o trabalho para conter o acesso ao imaginário da violência e da sexualidade é árduo. Mesmo assim, pais e educadores devem manter a atitude criteriosa quanto à seleção e incentivo do tipo preferencial de programação a assistir.

Nas escolas de educação infantil uma estratégia que pode ser utilizada é trazer a própria criança para o centro da avaliação do que é ruim ou bom assistir, estimulando diretamente o julgamento do que é apresentado e enfatizado, e a tarefa de qualificação da informação pela própria criança. Isso implica em deslocar o problema do que pode ou não ser assistido, interpretando o que é dado. Tal ação auxilia no que podemos chamar de formação ética ou estética de nossas crianças, desenvolvendo seu raciocínio crítico. Nesta medida, proibir um programa de baixa qualidade é muito menos eficaz do que assisti-lo e comentá-lo criticamente com a criança, mostrando por que aquele é um programa ruim. O fato, entretanto, é que poucos pais sabem efetivamente o que seus filhos assistem, e a situação tende a piorar com o passar do tempo. Exemplo: A televisão no quarto da criança onde  o acesso ao que é assistido não é compartilhado ou fiscalizado, torna-se  um  problema muito maior do que se imagina, por causa dos pedófilos.

A vida banalizada pela violência, pelas drogas e pelo sexo é diariamente retratada pela televisão. Para a criança que está em fase de desenvolvimento, período onde o mundo da fantasia e o mundo real confundem-se, os parâmetros dados pela família e pela escola de educação infantil são fundamentais, pois são eles que nortearão o saber e a construção de um aparato cognitivo que seja capaz de fazer a criança diferenciar o real do imaginário, o certo do errado, o bom do mau. É na socialização das idéias com os pais, com o professor, com os colegas de sala de aula que a criança constrói seu conhecimento que o acompanhará por toda a existência.

Leia também o artigo “O Poder da Televisão”

Bibliografia
Ana Cristina Dunker
Jornal “Mundo Jovem” – 05/2005
+ pequenas modificações

Jc.
S.Luis, 17/4/2012
Refeito em 3/8/2015

Nenhum comentário: