terça-feira, 10 de novembro de 2015

A ORIGEM DO CRISTIANISMO





Vendo Deus, os homens se hostilizarem numa existência de egoísmo; uns amontoando haveres, outros sucumbindo famintos, uns governando como tiranos, outros obedecendo como escravos; chamou a Jesus e disse-lhe: “Filho bem amado; vai a Terra e dize àquelas pessoas que eles são todos irmãos, filhos meus, criado por mim que tenho reservado a todos igual destino. Ensina-lhes que minha lei é de Amor.  Esforça-te por fazê-los compreender essa Lei;  exemplifica-a do melhor modo possível, ainda mesmo com o sacrifício de tua parte. Quero que o egoísmo desmedido, que  impera no coração dos homens, seja substituído  pela fraternidade e pelo amor. Sei que essa missão  será difícil, que vai custar muito, mas não importa; minha vontade é essa.
Tu serás a encarnação do meu verbo. Falarás aos homens, instrui-los-ás no conhecimento desta verdade. Eu estarei sempre contigo.  E Jesus, filho dileto e obediente, ouviu a palavra do Pai, e, compenetrado da missão que recebera, veio ao mundo. Nasceu num estábulo, para mostrar  que tinha humildade e não as vaidades  vigente entre os homens.
Cresceu, fez-se homem, e deu início ao cumprimento da missão recebida.  Começou a instruir a Humanidade. Pregava nas praças públicas, nas praias, nas sinagogas, nos montes, onde quer que Ele reunisse o povo. Percorria aldeias, vilas e cidades, anunciando e exemplificando a Lei do Amor, dizendo entre outras coisas: - Homens; vós sois irmãos;  amai-vos mutuamente; pois tal é a única e verdadeira religião. A vossa sociedade está dividida; há entre vós separações profundas. Uns dispõem do poder com tirania; outros se submetem como servos. O grande oprime o pequeno. O fraco é esmagado pelo forte. Para os ricos, todas as regalias, todos os privilégios; para os pobres, somente trabalhos e angústias. Tendes concentrado toda a vossa aspiração na posse da terra e dos seus bens. O egoísmo domina-vos. É necessário que vos reformeis.
 A existência, que ora fruís no mundo, é apenas uma oportunidade que o Pai vos concede para conquistardes o futuro brilhante que Ele vos reserva. Aspirais, pois, de preferência, pelos bens espirituais, que o ladrão não rouba e a traça não rói. Tal é a vontade do Pai, e vós o adorais com os lábios, porém não o fazeis com o coração.  Deus é Espírito e como tal deve ser compreendido. Ele não está encarcerado nos templos de pedras como supõem os judeus.
Enquanto Jesus assim  falava, ia curando  todos os  enfermos que encontrava, e tudo fazia por amor, sem receber nenhuma paga pelos benefícios que distribuía. O povo escutava-o com avidez, pois, até então, jamais alguém pregara semelhante doutrina de  igualdade e de amor. Enquanto isso, o clero e as autoridades já começavam  a inquietar-se  vendo na doutrina de Jesus, um perigo para as instituições vigentes e para os privilégios que eles desfrutavam como representantes do Estado e da Igreja.
Os dois poderes, o temporal e o espiritual resolveram agir em defesa de seus mútuos interesses seriamente ameaçados e trataram logo de prender Jesus, e o levaram ao sinédrio, onde os sacerdotes o acusaram de herege, nivelando os senhores e os escravos e dizendo que todos são iguais, de não guardar as tradições de Moisés, e em seguida o levaram a Pilatos para que ele lavrasse a sentença, dizendo: Se não o condenares não és amigo de Cesar, que temos por rei, e esse Jesus se diz rei. Pilatos, acovardado pela ameaça, condenou Jesus para ser crucificado.
Jesus, antes de exalar o último suspiro voltou-se para os que estavam ao pé da cruz e disse-lhes: - Não vos entristeçais; eu não vos deixarei órfãos, eu vos enviarei o Consolador, o Espírito de Verdade, que lhes relembrará tudo o que tenho dito e muitas coisas mais, e erguendo os olhos para o céu, acrescentou: Pai cumprido está o teu mandato. Recebe o meu Espírito...
- - -
Jesus não veio ao mundo fundar uma nova Igreja e não trouxe a Terra mais um sistema religioso. Ele recebeu uma missão: Revelar Deus à Humanidade. Encarnando Deus e a sua justiça, não fez obra divina: revelou a obra divina. Destruiu o personalismo, o sectarismo, fazendo ver aos homens que não devem se preocupar em  criar religiões, mas conhecer a verdade e a verdade é eterna e coexiste com Deus.  Deus se revela ao mundo de todas as formas. As maravilhas da criação, a harmonia dos astros e do Universo, a sabedoria das leis que regem a criação, são manifestações inequívocas da Divindade.
O mundo já o conhecia na exteriorização de sua força e poder, da sua sabedoria e de sua inteligência. Era necessário que o conhecesse também através de sua bondade e do seu amor. Já o tinham visto como o supremo arquiteto e Senhor dos Céus e da Terra. Era, porém, preciso que o conhecessem na intimidade como um Pai justo e bondoso.  Nesse ambiente não havia quem pudesse revelá-lo sob esse prisma, e então veio Jesus ao mundo desempenhar essa missão. Os profetas, como emissários  entre o Céu e a Terra, falaram de Deus aos homens. Jesus, como Cristo fala de Deus na qualidade de filho do próprio Deus; veio revelar a sua justiça e misericórdia: Essa foi a missão confiada a Jesus...
Assim, se passaram muitos séculos; mas, um dia menos um dia  a luz vencerá as trevas, a liberdade se oporá à escravidão, a justiça destronará a tirania, e, ao reinado do egoísmo, sucederá o reinado do amor. Passarão o céu e a terra, mas a sua palavra não passará...

Fonte:
Vinícius no livro
“Nas pegadas do Mestre”
+ Pequenas modificações.

Jc.

São Luís, 19/10/2015

Nenhum comentário: