terça-feira, 16 de setembro de 2014

O MAPA DA DEPENDÊNCIA




  Mais de um terço da população brasileira faz parte do Cadastro Único dos beneficiários sociais, pagos pelo governo, entre eles,  Bolsa Família, Luz para Todos, Bolsa Gás, Bolsa Pescador, Minha Casa e outros programas assistenciais. As regiões que mais dependem dos programas federais estão localizadas no Norte e Nordeste com  população inscrita acima de 60%, os demais estados com percentuais que variam de 21 a 40% inscritos, com exceção dos estados de São Paulo e Santa Catarina, na faixa de até 20%.  
Para termos uma ideia do valor gasto somente com Bolsa Família, que atende a 50 milhões de beneficiários e cujo orçamento é de 24 bilhões (em 2013); e o Minha casa que atende a 7 milhões de assistidos, cujo orçamento chega a 73.2 bilhões, totalizando quase 100 bilhões. No campo social, criado durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e ampliado nos doze anos de governo do PT, o assistencialismo afundou na criação da dependência paralisante – aquele ponto em que para muitos, vale mais a pena viver do repasse do Governo do que do trabalho. A história é a do populismo baseado na expansão de gastos públicos e da prioridade das políticas públicas, com efeitos eleitoreiros. Essa é a situação, porém vai acabar mal, pois o modelo é insustentável.
 Não é viável o país em que o setor produtivo sustenta o passado, o presente e o futuro de uma máquina pública incontrolável que aumenta de tamanho todos os anos, que concede aos seus integrantes aumentos de salário e benefícios a seu bel-prazer, sem a menor consideração por quem realmente paga a conta: os brasileiros da iniciativa privada que trabalham e pagam os impostos.
Um dos maiores estudiosos do mundo no assunto, o economista italiano Vito Tanzi mostrou que o Brasil já passou do nível em que o aumento de gastos públicos produz proporcional aumento do bem-estar social. Segundo o economista, gastos públicos ao redor de 35% do PIB são suficientes para alcançar os objetivos realisticamente esperados de um governo em uma economia de mercado. O Brasil já está no patamar de 40% do PIB, com tendência ainda a aumentar. Disse Tanzi à revista “Veja”: “O Brasil gasta demais. Quando os governos sabem usar os seus recursos de maneira eficiente, conseguem sanar problemas sociais sem afetar o potencial de crescimento. Quando o governo não é eficiente, como parece ser o atual governo brasileiro, mais gastos significarão apenas desequilíbrios fiscais e baixo crescimento”.
O Brasil, porém, está gastando não a fortuna acumulada pelas gerações passadas, mas consumindo agora e mandando a conta para as próximas gerações. Como boa parte da arrecadação vai para funcionários públicos e para esses programas assistencialistas eleitoreiros, o que se tem é uma injustiça flagrante: empregados da iniciativa privada contribuem para sua própria aposentadoria, para a aposentadoria dos que são privilegiados e ainda para manter através do assistencialismo, milhares de pessoas sem trabalhar, pelos programas sociais para garantir através dos votos, a permanência no poder, dos integrantes do PT.
O jornalista J.R. Guzzo, no seu artigo “A Casa não pode cair” pergunta qual é o projeto do PT? Que diabo seria isso? Ora o projeto do PT é não ter projeto algum. Em vez de trabalhar para construir um Brasil mais justo, confortável e promissor para os brasileiros, todo o esforço do partido se concentra em não largar o osso, o governo. O Brasil está em estado de miséria, e o presente já é um caso perdido. A pergunta, agora, é a seguinte: as coisas vão mudar para melhor depois da eleição presidencial de outubro ou vão ficar piores ainda?
Vão ficar piores, com certeza, se o Brasil não sair da armadilha que o governo, o PT e o ex-presidente Lula montaram: eles têm de ganhar todas, pois não podem mais admitir a alternância de poder. O problema atual do Brasil é que o PT não apenas quer continuar: precisa continuar, pois, se sair, o mundo de privilégios que construiu para si próprio e os seus nos últimos anos vai direto para o espaço. Vão-se embora as rosemarys, os youssefs, as Pasadenas, as fortunas criadas nos porões da Petrobrás, os mensalões, os 39 Ministérios e os 20.000 altos empregos existentes no governo para beneficiar os correligionários e milhares de outros como eles.
Fonte:
Revista“Veja”– 23/4/2014                                                    
Giuliano Guandalini e Bianca Alvarenga
J.R.Guzzo

Jc.
São Luís, 22/5/2014

Nenhum comentário: